hiperespecialização

O mercado é muito ágil, por isso as bancas precisam da  hiperespecialização para sobreviverem.

Diferentemente dos anos anteriores, o país encaminha-se para o que parece ser uma abertura comercial aos investidores estrangeiros. Pelos projetos idealizados, serão elaboradas medidas socioeconômicas voltadas para a liberalização de mercado. Mas até que ponto essas questões afetarão os negócios jurídicos?

Difícil responder. Entretanto, um ponto é certo: se destacarão os escritórios corporativos mais atualizados e preparados para as reviravoltas no nicho de mercado dos seus clientes.

A importância de prever os cenários pelos quais os clientes passarão é determinante.

Isso significa que os advogados corporativos precisam imergir na visão, missão e valores das empresas. Além disso, precisam saber transitar pelas mudanças nos setores de atuação.

A importância da hiperespecialização

Em recente entrevista, Flávio Franco, executivo da Netshoes, referiu que é fundamental conhecer a cultura organizacional do cliente e os desafios do mercado em que ele atua.

Essa é a tendência dos executivos. Isso porque a velocidade com que os processos de fechamento de negócios são desenhados exige do advogado conhecimento profundo sobre o mercado. Hoje, empresas do ramos de alimentação, por exemplo, chegam a fechar contratos com 02 meses de negociação, enquanto os negócios imobiliários de imóveis de alto padrão demoram aproximadamente 01 ano.

Portanto, as bancas mais procuradas são aquelas com vasto currículo, bem como visão apurada sobre os negócios do cliente.

Assim, para que essa experiência seja transmitida corretamente, as bancas jurídicas precisam estar atentas à hiperespecialização. Um advogado hiperespecializado é aquele estudioso sobre a segmentação de mercado do cliente. Muito mais do que um advogado tributarista, ele será um advogado tributarista especialista em indústrias de automóveis, por exemplo.

Os benefícios desse tipo de especialização são inúmeros, tais como:

  • a precisão com que os resultados dos negócios podem ser resolvidos;
  • a fidelização do cliente;
  • assessoria jurídica com muita credibilidade;
  • assertividade na resolução dos negócio.

Como a hiperespecialização ajuda a entender a cultura organizacional da empresa

A cultura organizacional da empresa é a forma como a rotina da empresa é estabelecida. Normalmente, ela cresce a partir do dono da empresa e serve como um guia para orientar os passos dos colaboradores. A cultura definirá as práticas que são bem vistas e quais delas não são admitidas.

Um exemplo claro de cultura organizacional é a inclusão de eventos para os funcionários, como horas de lazer e bem-estar por meio de ginástica laboral ou até mesmo espaço recreativo.

Nesse caso, a hiperespecialização facilitará a compreensão de formação da empresa. O que acontece é que determinados setores possuem um padrão de desenvolvimento e, à vista disso, o estudo aprofundado de um ramo facilitará a compreensão de mais de uma empresa.

Muitas culturas organizacionais assemelham-se.

Consequentemente, os fechamentos de contrato são facilitados, visto que a expertise do advogado torna-se notável. Executivos referem que a atualização sobre as atividades do cliente agregam valor e transparência ao processo de negociação.

Por isso, profissionais altamente qualificados são muito valorizados pelo mercado. Advogados em constante atualização, presentes em seminários e palestras, tanto relacionados aos ramos do Direito quanto sobre políticas e matérias sociais, são muito requisitos.

Nesse sentido, Lara Salem e Rodrigo Bertozzi, no livro A Nova Reinvenção da Advocacia, referem que uma das soluções de marketing a ser analisada é a flexibilidade do conhecimento.

buscar novas fontes de informação em segmentos denominados “laterais”. Você encontrará ideias em empresas de auditoria, consultoria, contabilidade, etc. Estude o que as indústrias de biotecnologia estão fazendo, combine a informação com o mercado de agronegócios e compare com a legislação vigente. Leia, com rigor, outras fontes inusitadas como cinema, quadrinhos, música, livros científicos.

A valorização do nicho de mercado do cliente implica a valorização do próprio cliente

Por sua vez, o estudo do nicho de mercado do cliente afeta diretamente no relacionamento com os executivos. Dar importância ao que está acontecendo no mercado remete à alta qualificação, mas, mais do que isso, demonstra o grau de importância que aquele cliente representa para o advogado.

Dessa forma, as empresas sentem que os seus negócios são valorizados e que o conhecimento sobre o tema faz com que estejam seguros para as próximas negociações. A par disso, passam a ter tranquilidade para desistir do negócio que não trarão os lucros almejados.

Advogados hiperespecializados possuem mais facilidade quando se trata de dar respostas certeiras e que se encaixem aos padrões da empresa. Por esse motivo suas competências são muito respeitadas pelos executivos.

Comumente, o mundo dos negócios é visto como um campo de guerra. Para sobreviver às tensões, estratégias e interesses ocultos, precisa-se muita frieza. Dessa maneira, a autoestima dos executivos precisa ser constantemente valorizada, para que o padrão de trabalho não  reduza. Essa valorização é facilmente feita pelo advogado com hiperespecialização.

Conhecendo o público de atuação, o advogado entenderá quais são as principais dores e sentimentos que abalam eles, podendo prever reações e contornar situações de tensão.

O profissional hiperespecializado se torna uma espécie de conselheiro dos empresários.

Ele tratará as melhores soluções do mercado, ao mesmo tempo em que aumentará o conforto e a segurança dos executivos com a assessoria jurídica.

Capacidade de entender o que os clientes não entendem

Um advogado com hiperespecialização é um profissional com visão e que está capacitado para identificar fatores de risco nos negócios.

Portanto, as bancas que contam com advogados altamente especializados conseguem compreender os interesses dos clientes e os desafios que eles enfrentarão.

Muitas vezes nem o próprio cliente consegue definir pelo que está passando, então cabe ao assessor jurídico identificar por ele.

A hiperespecialização permite essa perspicácia.

Os advogados com o mínimo de noção do mercado do cliente já são capazes de contornar pequenas situações.

Os profissionais com um alto grau de entendimento de mercado, por sua vez, conseguem prever essas situações e outras bem piores.

Tudo o que o executivo deseja é que seus negócios sejam realizados de forma tranquila.

Por certo que muitas negociações não ocorrerão da forma mais equilibrada possível, em função disso a expertise do advogado e o seu interesse no cliente é que conduzirão as tratativas da melhor forma possível.

bancas jurídicas
Hiperespecialização: Quanto o nicho de mercado do seu cliente vale para você
Classificado como:    

2 ideias sobre “Hiperespecialização: Quanto o nicho de mercado do seu cliente vale para você

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *